Siga-nos!

Dicas de Preparação

A vantagem de um curso tecnológico

Erra feio quem pensa que o curso tecnológico é inferior ou aquele que requer pouca capacidade intelectual

Publicado

em

Erra feio quem pensa que o curso tecnológico é inferior ou aquele que requer pouca capacidade intelectual

30/05/2008

* Por Juliana Ataíde

Treine com simulados Online. Clique aqui e resolva agora!

Há quem ainda torça o nariz quando o assunto é um Curso Superior Tecnológico, por considerar que são cursos inferiores ou aquele que requer pouca capacidade intelectual. Infelizmente erra feio quem pensa assim, mas a razão de todo esse preconceito com estes cursos se deve ao fato do não conhecimento de sua estrutura e seu objetivo.

Os Cursos Superiores Tecnológicos (CST) tem como objetivo formar profissionais aptos a desenvolver de forma plena e inovadora as atividades de um determinado eixo tecnológico e com capacidade de utilizar, desenvolver ou adaptar tecnologias com a compreensão crítica. Estes cursos desenvolvem profissionais de perfis amplos, com capacidade de pensar em forma reflexiva, com autonomia intelectual e sensibilidade ao relacionamento interdisciplinar, que permita aos seus egressos prosseguirem seus estudos em nível de pós-graduação. Em outras palavras o CST alia o conhecimento às necessidades do mercado.

Estes cursos são constituídos de cultura, historicidade, atualidade e ética, tendo em vista o desenvolvimento social, integrado e sustentável da sociedade brasileira e a soberania nacional.

A grande vantagem do CST é o tempo de duração do curso, que em geral é de 2 a 3 anos, o que pode significar economia de tempo para aqueles que querem uma entrada mais rápida no mercado de trabalho, outra característica importante é o foco específico do curso onde o profissional estará certo de sua área de atuação.

A oferta de cursos tecnológicos superiores reflete a necessidade da sociedade, portanto sua denominação, carga horária, perfil do profissional egresso pode variar de uma região para outra do país, levando em consideração a vocação regional.

No começo da década houve um “boom” de CST oferecidos por instituições de ensino superior (IES) privadas em todo país, e para conter os abusos cometidos por algumas IES o Ministério da Educação criou o Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia responsável por organizar e orientar a oferta destes cursos.

O Catálogo contempla as áreas de formação tecnológica em Agropecuária e Recursos Pesqueiros, Comércio e Gestão, Artes, Comunicação e Design, Construção Civil e Transportes, Lazer, Desenvolvimento Social e Turismo, Indústria, Química e Mineração, Informática e Telecomunicação e Meio Ambiente e Tecnologia de Saúde. Os cursos existentes que não se encaixam nessas áreas e nomes definidos pelo MEC devem mudar o currículo ou ficarão como cursos experimentais, até obterem “densidade tecnológica”, ou seja, serem aperfeiçoados até justificarem a criação de uma nova denominação.

A listagem de cursos apresentada neste Catálogo não esgota a possibilidade de novos cursos oferecidos no país, existe a possibilidade de inserção de novos cursos em experimentação que poderão futuramente integrar este Catálogo. Um Curso Superior Tecnológico também pode alterar sua denominação desde que ele cumpra com todas as adequações pertinentes ao Catálogo Nacional.

Para aqueles que se interessam e fazer um Curso Superior Tecnológico e não quer correr o risco de fazer um curso sem a certificação do MEC, é aconselhável pesquisar no site da instituição se existe menção a validade dos atos legais de autorização, reconhecimento ou renovação de reconhecimento que o regulam. A validade de um diploma de CST não está relacionada com a denominação do curso no Catálogo, portanto não se desespere se não encontrar referências de seu curso no Catálogo.

Estudos baseados no desenvolvimento da educação superior no Brasil mostram que menos de 1% dos estudantes buscam os cursos tecnológicos, e de certa forma isto é ruim para o desenvolvimento do país, pois nos países desenvolvidos o índice é de 29%. Segundo uma pesquisa divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) em novembro de 2007, a indústria nacional não encontrou trabalhador qualificado para uma em cada quatro vagas abertas neste ano de 2007, pr

DICAS NO SEU EMAIL

Receba gratuitamente as últimas notícias dos vestibulares e dicas para o Enem no seu email! Clique aqui e cadastre-se!

RECOMENDAMOS

Dicas de Preparação

Vestibular Fuvest 2024 – Quanto custa? Quando é a prova? Quantas vagas?

As inscrições para o Vestibular 2024 da Fuvest começam hoje, 17 de agosto, a partir do meio dia.

Publicado

em

por

Gabarito Vestibular Fuvest 2023 - Lista de Aprovados USP

As inscrições para o Vestibular 2024 da Fuvest começam hoje, 17 de agosto, a partir do meio dia. Quanto custa? Quando é a prova? Quantas vagas?

Vestibular 2024 da Fuvest

Quanto custa? As inscrições podem ser feitas até o dia 6 de outubro. A taxa é de R$ 191 (cento e noventa e um reais). O período para solicitar a isenção ou redução da taxa já terminou.

Quando é a prova? A prova de conhecimentos gerais da 1ª fase será aplicada no dia 19 de novembro. As provas da 2ª fase acontecem em 17 de dezembro.

Treine com simulados Online. Clique aqui e resolva agora!

Quantas vagas? No vestibular Fuvest são oferecidas 8.147 em cursos de graduação da Universidade de São Paulo (USP) de diversas áreas. Outras 3 mil vagas serão distribuídas em outras duas formas de ingresso: o Enem USP e o Provão Paulista.

Mais informações e inscrições: www.fuvest.br.

DICAS NO SEU EMAIL

Receba gratuitamente as últimas notícias dos vestibulares e dicas para o Enem no seu email! Clique aqui e cadastre-se!

RECOMENDAMOS

Continue lendo

Destaque

Há idade certa para estudar? Professor da UniFECAF fala sobre etarismo

O etarismo, conjunto de práticas discriminatórias contra os mais velhos, ganhou o horário nobre nos últimos dias.

Publicado

em

por

Há idade certa para estudar? Professor da UniFECAF fala sobre etarismo

O etarismo, conjunto de práticas discriminatórias contra os mais velhos, ganhou o horário nobre nos últimos dias. Primeiro, três universitárias do interior de São Paulo gravaram um vídeo dizendo que a colega de sala deveria ser “desmatriculada” por ter mais de 40 anos. O caso teve repercussão e as jovens alunas decidiram, elas mesmas, deixar o curso.

Mas, existem formas de evitar que o preconceito impeça quem já viveu mais realize sonhos como uma universidade? “A graduação é sonho de muitas pessoas, que depois de conquistar certa estabilidade, conseguem voltar aos estudos e realizar. Como professor, aprendo muito com meus alunos com mais de 40 anos, pois eles trazem uma bagagem cultural e uma vivência do mercado de trabalho que é muito distante dos alunos mais jovens”, conta o professor de Empreendedorismo e Diretor de Inovação da UniFECAF, Pedro Debiazi.

Debiazi explica que as turmas dentro do ensino superior têm sido cada vez mais heterogêneas, ou seja, reunindo pessoas com perfis sociais diferentes. “É uma miscelânea de culturas, identidades e faixas etárias. Essa mistura enriquece muito as discussões em sala de aula, estimulando reflexões importantes para a transformação da nossa sociedade”.

Treine com simulados Online. Clique aqui e resolva agora!

O professor lamenta os casos de etarismo e explica como o ambiente escolar pode facilitar a inclusão de pessoas de todas as idades. “Na UniFECAF ao trabalhar com soft skills, por exemplo, os alunos mais velhos têm sempre boas experiências para compartilhar, possibilitando a contextualização daquele conteúdo para os mais jovens”, observa Debiazi sobre a oportunidade proporcionada pelo intercâmbio geracional em sala de aula.

Por fim, o diretor da UniFECAF manda um recado para quem já batalhou para construir a vida e agora quer estudar. “Diria para esse estudante ou para essa estudante nunca desistir do seu sonho, porque não existe idade certa para começar algo. Basta sonhar, acreditar e realizar!”, completa.

DICAS NO SEU EMAIL

Receba gratuitamente as últimas notícias dos vestibulares e dicas para o Enem no seu email! Clique aqui e cadastre-se!

RECOMENDAMOS

Continue lendo

Destaque

Dicas para quem não conseguiu passar nas opções escolhidas no Sisu 2023

Para tentar recuperar o investimento feito, é importante traçar estratégias e, principalmente, cuidar da questão emocional.

Publicado

em

por

Sisu 2023

Com a divulgação do resultado do Sistema de Seleção Unificada (SISU) nesta terça-feira, 28, muitos estudantes acabam frustrados ao descobrir que não passaram para as opções escolhidas. Sentimentos como ansiedade, irritabilidade, culpa e até mesmo depressão podem se manifestar com o que parece o fim de um sonho e a incerteza sobre o futuro. Entretanto, nem tudo está perdido. Para tentar recuperar o investimento feito, é importante traçar estratégias e, principalmente, cuidar da questão emocional.

Segundo o Coordenador de Curso e Pré-vestibular do pH, Diogo D’Ippolito, após o encerramento das inscrições e do resultado de fato, o SISU abre um período para os candidatos e candidatas que não foram aprovados manifestarem interesse na lista de espera – para preenchimento das vagas eventualmente não ocupadas na chamada regular. “Mas atenção: você só pode manifestar interesse na lista de espera em apenas um dos cursos para o qual optou por concorrer em sua inscrição ao SISU e, além disso, se você for selecionado na chamada regular em uma das suas opções de vaga, está inapto a participar da lista”, explica.

Já quem não foi aprovado na chamada regular e nem nas chamadas da lista de espera ainda pode tentar um “SISU 2”, que acontece no meio do ano. Isso significa um novo processo de inscrição, com novas duas opções de interesse, novas notas de corte e por aí vai. É, literalmente, uma segunda chance para os candidatos e candidatas que não foram convocados pelo SISU 1 ou foram aprovados para cursos que de fato não desejam cursar. Esse processo, entretanto, pode ser um gatilho para muitas emoções indesejadas, que podem acabar minando o desempenho do aluno que está se preparando para um novo ENEM.

Treine com simulados Online. Clique aqui e resolva agora!

O educador Fernando Gabas, fundador da Academia Soul – empresa especializada em soluções para Educação Socioemocional para escolas – lembra que existem estudos que mostram que praticamente 90% de nossas preocupações nunca acontecem, mesmo assim, “continuamos sofrendo de ansiedade com a tendência de projetar um futuro recheado de fatos experiências desagradáveis”. De acordo com o especialista em mindfullness, existem algumas maneiras para reduzir a ansiedade, dentre as quais ele destaca a análise racional e uma mais experiencial. “Uma análise racional significa uma auto investigação dos processos de pensamento, questionando o benefício dessa ansiedade. Não é só sobre o fato das nossas preocupações não se concretizarem em 9 de 10 vezes, é sobre entender que sofrer por uma situação que ainda não aconteceu ou que está fora do nosso controle é inútil e ainda fará com que você fique cego para inúmeras oportunidades que podem surgir no meio do caminho”, ensina.

Já na abordagem experiencial, o indivíduo deve começar a treinar sua mente para estar presente à realidade o tempo inteiro, descondicionando seu cérebro a viver sempre no futuro ou no passado. Estudos comprovam que em 8 semanas já é possível obter grandes resultados. Com o tempo, sua mente perde o interesse de ficar projetando fatos no futuro e sofrendo de ansiedade, ela fica mais presente aos fatos que se apresentam momento a momento. O resultado disso é muito mais tranquilidade, clareza, inteligência e capacidade de tomada de decisões. “É comum, ainda mais quando somos mais jovens, que ao enfrentar uma situação indesejada, tenhamos a tendência de achar que é o fim do mundo. No entanto, se olharmos para trás, veremos que isso quase nunca é verdade. O estudante deve manter a calma, para perceber que esse tempo de espera até a próxima prova pode significar um amadurecimento importante em sua vida, inclusive no sentido de poder tomar uma decisão mais assertiva sobre a faculdade e sua profissão no futuro”, completa Fernando.

Agora, para quem conseguiu ser aprovado, uma dica final é lembrar que os próximos passos não são mais pelo SISU, reforça D’Ippolito. “Após aprovação em uma das duas opções de curso, muitas pessoas acham que devem realizar os próximos passos, como matrícula por exemplo, ainda na plataforma do SISU. Na verdade, a partir do momento em que você é aprovado, tanto na chamada regular como pela lista de espera, todo o processo agora acontece diretamente entre você e a instituição para a qual foi selecionado. Fique de olho nos dias, horários e locais de atendimento definidos por cada instituição em edital próprio: isso é tarefa sua!”, completa.

DICAS NO SEU EMAIL

Receba gratuitamente as últimas notícias dos vestibulares e dicas para o Enem no seu email! Clique aqui e cadastre-se!

RECOMENDAMOS

Continue lendo