Siga-nos!

Dicas de Preparação

Estudante de Medicina

Quem passou conta tudo sobre o vestibular a rotina do curso

Publicado

em

Quem passou conta tudo sobre o vestibular a rotina do curso

01/09/2016

Ana Paula Dibbern – Cursinho Maximize

Treine com simulados Online. Clique aqui e resolva agora!

Vamos falar sobre o vestibular mais temido, mas também um dos mais desejados: Medicina!

As notas mínimas para entrar em Medicina costumam ser as mais altas do Sisu, sistema que seleciona para as Universidades Federais através da nota no ENEM. Para o ingresso em 2016, as notas de corte de Medicina ficaram entre 760 e 825 pontos, conforme a Universidade. É uma diferença bastante grande e, por isso, quem está disposto a ir pra outro estado acaba conseguindo uma vaga com maior facilidade. No último ano, Universidades nos estados da Bahia, Minas Gerais, Goiás, Amapá, Roraima, Piauí, Maranhão, Mato Grosso, Amazonas, Sergipe e Acre tiveram notas de corte menores que 780 na primeira chamada. Além disso, nessas Universidades, a lista de espera costuma andar um pouco mais, o que também torna a aprovação um pouco mais fácil.

Já para conseguir uma vaga na FMUSP (Faculdade de Medicina da USP), uma das mais conceituadas do país, a nota de corte na primeira fase da FUVEST variou de 70 a 77 acertos (em 90 questões) nos últimos anos. No vestibular 2016, foi de 73 pontos. Uma questão errada na primeira fase ou um pequeno deslize na prova dissertativa da segunda fase é o que separa os que entram dos que ficam na lista de espera, que costuma não “andar” quase nada.

Pra conseguir uma vaga em Medicina, alunos de todo o país enfrentam uma rotina puxada de estudos e, muitas vezes, fazem mais de um ano de cursinho. Num vestibular em que um escorregão pode determinar o fracasso, não dá pra deixar nenhum conteúdo de lado na hora de se preparar. Mas será que vale a pena encarar o desafio de passar em Medicina? Para ajudar você a se decidir, vamos entrar um pouco no universo do curso de Medicina e, para isso, nada melhor do que conversar com os próprios estudantes. Convidamos os futuros médicos Allan Brum e Daniel Lucas Rodrigues para contar um pouquinho das suas histórias e vivências na Universidade.

Quem conta

Allan é paulistano e deixou o curso de Psicologia pra voltar a estudar pro vestibular e tentar Medicina. Fez dois anos de cursinho e foi aprovado em Medicina na USP, Unesp e Unifesp. Hoje, com 24 anos, está no 5° do curso de Medicina na USP.

Daniel tem 28 anos e também iniciou outra graduação antes de entrar em Medicina. Apesar de, desde criança, querer ser médico, achava que não iria passar e por isso acabou se decidindo por Engenharia Agronômica na ESALQ (campus da USP em Piracicaba). Quando estava quase terminando o curso, decidiu tentar Medicina e descobriu que, apesar de ter feito o Ensino Básico em escola pública, o sonho era possível. Hoje, Daniel está no 4° ano de Medicina na USP.

A preparação para os vestibulares

Daniel não deixou o curso de Engenharia quando decidiu tentar Medicina. Fez um semestre de cursinho pela manhã, ia à noite pra faculdade e estudava à tarde e horas vagas. Como não teve tanto tempo pra estudar, durante as férias concentrou seus esforços na estratégia de estudar com todas as provas anteriores da Fuvest (desde 1995). Lia a questão, tentava responder, depois acessava a resolução comentada nos sites de três cursinhos e comparava. Essa é uma dica importante, já que normalmente as questões exigem do aluno o mesmo conceito, mesmo que a pergunta seja elaborada de forma diferente.

Já Allan, assim como a maioria dos aprovados, seguiu uma rotina mais tradicional de estudos no cursinho. Para Allan, foi importante organizar bem a rotina de estudos e se disciplinar. Tentava dormir bem, saía de casa bem cedo e ficava no cursinho até o final da noite mesclando as atividades (aulas, resolução de exercícios, simulados e leituras).

O ingresso na Universidade

O trote é sempre uma das grandes preocupações do calouro. Segundo Allan, que perdeu um dente no trote do “Show Medicina”, há toda uma lógica de hierarquização e veteranismo no curso de Medicina da USP, e nesse contexto o calouro é colocado como o mais fraco. Porém, após certos acontecimentos, hoje há um largo processo de denúncia a esses trotes violentos, então as coisas estão mais calmas. A dica de Allan é “que o calouro não se curve a essas agressões e esteja pronto para denunciar, entendendo a universidade como um espaço democrático”.

Por outro lado, o momento do ingresso também pode ser uma experiência bastante positiva. Daniel conta que a semana de recepção aos alunos foi muito positiva, com brincadeiras, comidas e apresentações. Inclusive, numa aula especial da recepção, ele pôde ver a palestra de um jornalista que o inspirava bastante a estudar e conseguir um lugar na Universidade. Foi uma experiência emocionante, conta.

O choque dos primeiros meses

Allan diz que os primeiros meses foram um pouco decepcionantes: “Você entra com muitas ilusões, há uma construção na sociedade de que a Medicina é algo grandioso, mas quando você entra, você se depara com um modelo de ensino que é limitador, você se reduz à bioquímica, biologia molecular, histologia, bioestatística… Além disso, até por conta do modelo do vestibular da Fuvest, o perfil da turma é muito elitizado, são pessoas que se acham especiais, é um universo um pouco diferente”.

Daniel relata que o curso é desgastante no aspecto emocional. Há questões delicadas, humanas e éticas. Você é bastante cobrado, mas mais que isso, você também se cobra muito. Além disso, Daniel teve mais um desafio: pra quem vem do interior e tem problemas respiratórios, conviver com a poluição de São Paulo é bem complicado.

Quanto à qualidade das aulas, ambos relatam que há aulas e professores muito bons, mas há também aulas “medianas” ou “razoáveis”. Os dois concordam, também, que a FMUSP dispõe de muitos recursos, então há materiais suficientes para as aulas, laboratórios equipados, vivência em hospitais importantes e tudo que é necessário para uma excelente formação.

O conteúdo do curso

Daniel explica que, até o terceiro ano, não teve grandes dificuldades com nenhuma matéria. Diz que, no ano 4° ano, há duas disciplinas em que os alunos costumam ter dificuldades: “moléstias infecciosas” e “clínica médica”.

Há alguns conteúdos com os quais Allan não esperava se deparar ao longo do curso, como bioestatística. Dentre as matérias que já cursou, achou essa um pouco mais difícil.

Daniel e Allan relatam que a quantidade de atividades desenvolvidas dentro do hospital é grande, durante todo o período da graduação. Desde o primeiro ano do curso, há matérias práticas dentro do hospital, em que o aluno acompanha procedimentos e realiza algumas atividades de atendimento.

A rotina de estudos

A grade do curso é puxada, são praticamente 8h diárias e não há muitas janelas. Quando é semana de provas, Allan vira 2 ou 3 noites estudando. Segundo ele, a vida agora é mais complicada do que era no cursinho, já que a rotina na Medicina é menos organizada. Por outro lado, tem também alguns períodos mais tranquilos. Pra conseguir ganhar algum dinheiro, Allan aproveita o tempo vago em casa pra trabalhar corrigindo redações para um cursinho pré-vestibular. “Seria muito difícil ter um trabalho formal, mas dá pra fazer uns bicos assim.”

Permanência na Universidade

Como Daniel é do interior e se encaixou nos critérios socioeconômicos, conseguiu uma vaga na “Casa do Estudantes”, a moradia gratuita da Universidade. O processo é razoavelmente simples: você entrega a documentação solicitada, recebe uma pontuação com base nesses dados e, se estiver entre os que mais precisam, é chamado. No caso da FMUSP, a moradia fica ao lado do HC (Hospital das Clínicas), bem pertinho da Universidade. Os quartos são duplos mas, segundo Daniel, são ótimos.

Além da moradia, é possível tentar outros auxílios, tais como a Bolsa Alimentação (refeições gratuitas nos bandejões do quadrilátero da saúde e na cidade universitária), o Auxílio Transporte (duzentos reais para custear o ônibus e o metrô) e as Bolsas Atividade (valores pagos para quem desenvolve alguma pesquisa ou trabalho na Universidade).

Pesquisa e especialização

Dentro da Faculdade de Medicina, há muitas opções na área de pesquisa e o desenvolvimento de projetos de iniciação científica é comum.

Com relação à especialização, Allan conta que, desde os primeiros anos do curso, os alunos começam a se aproximar de alguma das “Ligas Acadêmicas”, que são os grupos das áreas de especialização. Há até um debate em torno desse fenômeno da “especialização precoce”, pois é importante que o aluno tenha uma boa formação geral antes de se especializar.

A maioria dos alunos costuma já entrar com alguma ideia de qual área seguir, mas muitos acabam se interessando por outro caminho. Daniel já pensou em algumas áreas, mas ainda não se decidiu. Allan pensava em Psiquiatria, mas avalia também outras possibilidades como Pediatria ou Medicina Geral de Família e Comunidade.

Mas, ao terminar os 6 anos de curso, quem quiser se especializar precisa prestar um novo concurso público e tentar uma vaga de residência médica na área desejada. Não é difícil conseguir, já que o Programa Mais Médicos estabeleceu a abertura de 12.400 novas vagas em residência médica até 2018, o que significa que, se o programa não for interrompido, haverá uma vaga em residência para cada aluno da graduação em Medicina. O objetivo é universalizar o acesso à residência médica, permitindo a formação de mais especialistas no Brasil, já que a quantidade de médicos por habitante, sobretudo de algumas especialidades, é bem menor que a mínima recomendada.

Já quem gosta da ideia de ensinar Medicina para outros alunos, lecionando em Universidades, tem a possibilidade de seguir a carreira acadêmica. Nesse caso, também é preciso passar por outro processo seletivo, envolvendo provas dos conteúdos relacionados e de línguas, além de apresentar um projeto de mestrado à Universidade e às Instituições de fomento à pesquisa.

Calendário do Vestibular de Medicina

Você vai prestar o vestibular para o curso de Medicina? Clique aqui e veja quais instituições estão com as inscrições abertas.

DICAS NO SEU EMAIL

Receba gratuitamente as últimas notícias dos vestibulares e dicas para o Enem no seu email! Clique aqui e cadastre-se!

RECOMENDAMOS

Dicas de Preparação

Vestibular Fuvest 2024 – Quanto custa? Quando é a prova? Quantas vagas?

As inscrições para o Vestibular 2024 da Fuvest começam hoje, 17 de agosto, a partir do meio dia.

Publicado

em

por

Gabarito Vestibular Fuvest 2023 - Lista de Aprovados USP

As inscrições para o Vestibular 2024 da Fuvest começam hoje, 17 de agosto, a partir do meio dia. Quanto custa? Quando é a prova? Quantas vagas?

Vestibular 2024 da Fuvest

Quanto custa? As inscrições podem ser feitas até o dia 6 de outubro. A taxa é de R$ 191 (cento e noventa e um reais). O período para solicitar a isenção ou redução da taxa já terminou.

Quando é a prova? A prova de conhecimentos gerais da 1ª fase será aplicada no dia 19 de novembro. As provas da 2ª fase acontecem em 17 de dezembro.

Treine com simulados Online. Clique aqui e resolva agora!

Quantas vagas? No vestibular Fuvest são oferecidas 8.147 em cursos de graduação da Universidade de São Paulo (USP) de diversas áreas. Outras 3 mil vagas serão distribuídas em outras duas formas de ingresso: o Enem USP e o Provão Paulista.

Mais informações e inscrições: www.fuvest.br.

DICAS NO SEU EMAIL

Receba gratuitamente as últimas notícias dos vestibulares e dicas para o Enem no seu email! Clique aqui e cadastre-se!

RECOMENDAMOS

Continue lendo

Destaque

Há idade certa para estudar? Professor da UniFECAF fala sobre etarismo

O etarismo, conjunto de práticas discriminatórias contra os mais velhos, ganhou o horário nobre nos últimos dias.

Publicado

em

por

Há idade certa para estudar? Professor da UniFECAF fala sobre etarismo

O etarismo, conjunto de práticas discriminatórias contra os mais velhos, ganhou o horário nobre nos últimos dias. Primeiro, três universitárias do interior de São Paulo gravaram um vídeo dizendo que a colega de sala deveria ser “desmatriculada” por ter mais de 40 anos. O caso teve repercussão e as jovens alunas decidiram, elas mesmas, deixar o curso.

Mas, existem formas de evitar que o preconceito impeça quem já viveu mais realize sonhos como uma universidade? “A graduação é sonho de muitas pessoas, que depois de conquistar certa estabilidade, conseguem voltar aos estudos e realizar. Como professor, aprendo muito com meus alunos com mais de 40 anos, pois eles trazem uma bagagem cultural e uma vivência do mercado de trabalho que é muito distante dos alunos mais jovens”, conta o professor de Empreendedorismo e Diretor de Inovação da UniFECAF, Pedro Debiazi.

Debiazi explica que as turmas dentro do ensino superior têm sido cada vez mais heterogêneas, ou seja, reunindo pessoas com perfis sociais diferentes. “É uma miscelânea de culturas, identidades e faixas etárias. Essa mistura enriquece muito as discussões em sala de aula, estimulando reflexões importantes para a transformação da nossa sociedade”.

Treine com simulados Online. Clique aqui e resolva agora!

O professor lamenta os casos de etarismo e explica como o ambiente escolar pode facilitar a inclusão de pessoas de todas as idades. “Na UniFECAF ao trabalhar com soft skills, por exemplo, os alunos mais velhos têm sempre boas experiências para compartilhar, possibilitando a contextualização daquele conteúdo para os mais jovens”, observa Debiazi sobre a oportunidade proporcionada pelo intercâmbio geracional em sala de aula.

Por fim, o diretor da UniFECAF manda um recado para quem já batalhou para construir a vida e agora quer estudar. “Diria para esse estudante ou para essa estudante nunca desistir do seu sonho, porque não existe idade certa para começar algo. Basta sonhar, acreditar e realizar!”, completa.

DICAS NO SEU EMAIL

Receba gratuitamente as últimas notícias dos vestibulares e dicas para o Enem no seu email! Clique aqui e cadastre-se!

RECOMENDAMOS

Continue lendo

Destaque

Dicas para quem não conseguiu passar nas opções escolhidas no Sisu 2023

Para tentar recuperar o investimento feito, é importante traçar estratégias e, principalmente, cuidar da questão emocional.

Publicado

em

por

Sisu 2023

Com a divulgação do resultado do Sistema de Seleção Unificada (SISU) nesta terça-feira, 28, muitos estudantes acabam frustrados ao descobrir que não passaram para as opções escolhidas. Sentimentos como ansiedade, irritabilidade, culpa e até mesmo depressão podem se manifestar com o que parece o fim de um sonho e a incerteza sobre o futuro. Entretanto, nem tudo está perdido. Para tentar recuperar o investimento feito, é importante traçar estratégias e, principalmente, cuidar da questão emocional.

Segundo o Coordenador de Curso e Pré-vestibular do pH, Diogo D’Ippolito, após o encerramento das inscrições e do resultado de fato, o SISU abre um período para os candidatos e candidatas que não foram aprovados manifestarem interesse na lista de espera – para preenchimento das vagas eventualmente não ocupadas na chamada regular. “Mas atenção: você só pode manifestar interesse na lista de espera em apenas um dos cursos para o qual optou por concorrer em sua inscrição ao SISU e, além disso, se você for selecionado na chamada regular em uma das suas opções de vaga, está inapto a participar da lista”, explica.

Já quem não foi aprovado na chamada regular e nem nas chamadas da lista de espera ainda pode tentar um “SISU 2”, que acontece no meio do ano. Isso significa um novo processo de inscrição, com novas duas opções de interesse, novas notas de corte e por aí vai. É, literalmente, uma segunda chance para os candidatos e candidatas que não foram convocados pelo SISU 1 ou foram aprovados para cursos que de fato não desejam cursar. Esse processo, entretanto, pode ser um gatilho para muitas emoções indesejadas, que podem acabar minando o desempenho do aluno que está se preparando para um novo ENEM.

Treine com simulados Online. Clique aqui e resolva agora!

O educador Fernando Gabas, fundador da Academia Soul – empresa especializada em soluções para Educação Socioemocional para escolas – lembra que existem estudos que mostram que praticamente 90% de nossas preocupações nunca acontecem, mesmo assim, “continuamos sofrendo de ansiedade com a tendência de projetar um futuro recheado de fatos experiências desagradáveis”. De acordo com o especialista em mindfullness, existem algumas maneiras para reduzir a ansiedade, dentre as quais ele destaca a análise racional e uma mais experiencial. “Uma análise racional significa uma auto investigação dos processos de pensamento, questionando o benefício dessa ansiedade. Não é só sobre o fato das nossas preocupações não se concretizarem em 9 de 10 vezes, é sobre entender que sofrer por uma situação que ainda não aconteceu ou que está fora do nosso controle é inútil e ainda fará com que você fique cego para inúmeras oportunidades que podem surgir no meio do caminho”, ensina.

Já na abordagem experiencial, o indivíduo deve começar a treinar sua mente para estar presente à realidade o tempo inteiro, descondicionando seu cérebro a viver sempre no futuro ou no passado. Estudos comprovam que em 8 semanas já é possível obter grandes resultados. Com o tempo, sua mente perde o interesse de ficar projetando fatos no futuro e sofrendo de ansiedade, ela fica mais presente aos fatos que se apresentam momento a momento. O resultado disso é muito mais tranquilidade, clareza, inteligência e capacidade de tomada de decisões. “É comum, ainda mais quando somos mais jovens, que ao enfrentar uma situação indesejada, tenhamos a tendência de achar que é o fim do mundo. No entanto, se olharmos para trás, veremos que isso quase nunca é verdade. O estudante deve manter a calma, para perceber que esse tempo de espera até a próxima prova pode significar um amadurecimento importante em sua vida, inclusive no sentido de poder tomar uma decisão mais assertiva sobre a faculdade e sua profissão no futuro”, completa Fernando.

Agora, para quem conseguiu ser aprovado, uma dica final é lembrar que os próximos passos não são mais pelo SISU, reforça D’Ippolito. “Após aprovação em uma das duas opções de curso, muitas pessoas acham que devem realizar os próximos passos, como matrícula por exemplo, ainda na plataforma do SISU. Na verdade, a partir do momento em que você é aprovado, tanto na chamada regular como pela lista de espera, todo o processo agora acontece diretamente entre você e a instituição para a qual foi selecionado. Fique de olho nos dias, horários e locais de atendimento definidos por cada instituição em edital próprio: isso é tarefa sua!”, completa.

DICAS NO SEU EMAIL

Receba gratuitamente as últimas notícias dos vestibulares e dicas para o Enem no seu email! Clique aqui e cadastre-se!

RECOMENDAMOS

Continue lendo