Siga-nos!

Dicas de Preparação

O que fazer depois do ENEM 2013?

O ENEM passou, mas a concentração e dedicação devem continuar para as provas que estão por vir

Publicado

em

O ENEM passou, mas a concentração e dedicação devem continuar para as provas que estão por vir

28/10/2013

O Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM 2013 foi realizado nesse final de semana (26 e 27 de outubro) e você, vestibulando, pode estar se perguntando: “o que eu faço agora?”.

Aos que vão realizar apenas o ENEM e usar sua nota para ingresso em uma faculdade agora devem esperar pelo gabarito oficial, que está previsto para ser divulgado até quarta-feira, dia 30 de outubro. Assim que sair o gabarito, o candidato pode ter uma ideia melhor de como foi na prova, lembrando que não é possível ter uma exatidão da nota obtida devido ao cálculo da TRI (você pode saber mais sobre a TRI aqui: www.gabaritodoenem.com.br). De acordo com estimativas do Ministério da Educação, os candidatos só terão o resultado final na primeira semana de janeiro de 2014.

Aos que ainda terão uma sequência de vestibulares pela frente a dica principal é: mantenha o foco. Uma prova já foi, mas outras estão por vir. Os principais vestibulares do país – como os das federais e estaduais, além dos vestibulares de universidades privadas – ainda estão para acontecer e você, vestibulando, deve continuar empenhado na busca por uma boa nota e por um ingresso na instituição desejada.

Por isso, mantenha a mesma dedicação que teve para o ENEM para os demais vestibulares. Lembre-se que você estudou um ano todo para passar na prova e conseguir o tão sonhado ingresso na faculdade.

Boa sorte, vestibulandos! Uma prova já foi. Dedicação, concentração e foco para as outras!

RECOMENDAMOS

Destaque

5 dicas para que você seja ultra-produtivo em 2022

Jennifer de Paula preparou uma lista com 5 conselhos para que 2022 seja um ano especialmente produtivo. Confira!

Publicado

em

por

5 dicas para um 2022 ultra-produtivo

A chegada de um novo ano renova esperanças para sonhos e metas. Porém, sem um planejamento e mudanças de hábitos específicos, a tendência é que o novo ciclo repita o anterior e os sonhos continuem sendo apenas isto: sonhos. Por isso, Jennifer de Paula, que é diretora de marketing e gestão da MF Press Global, preparou uma lista com 5 conselhos para que 2022 seja um ano especialmente produtivo.

5 dicas para um 2022 ultra-produtivo

1 – Aprenda a dizer NÃO – “É a melhor forma de não sair do foco. Isso vale para pedidos externos e dizer não para si mesmo. Evite frases como ‘vou ver se posso’ e seja direto quando o assunto for se negar a fazer algo que não faz parte ou atrapalhe seu objetivo no momento”, pontua a especialista.

2 – Organize suas metas – Para Jennifer é essencial ter os objetivos sempre à mão e dar o ‘start’ diário de forma organizada por ordem de prioridade. “Olhe seu plano diário no início, meio e final do dia. Assim saberá se concluiu tudo ou se o final da lista se tornará a prioridade do dia seguinte”, explica.

3 – Pare de verificar seu email e whatsapp – A especialista defende que se organizar também quer dizer estipular a quantidade de vezes que você dá aquela checada na caixa de entrada ou no grupo do whatsapp. “Tente definir horários para verificar as mensagens, como uma vez a cada 3 horas dependendo de sua demanda”, aconselha.

4 – Cuidado com o termo “multitarefas” – “Ter várias tarefas diárias e concluir todas com sucesso não quer dizer que tenha que fazer tudo ao mesmo tempo. Isso diminui sua produtividade, pois está pulando de tarefa em tarefa sem se concentrar em nenhuma”.

5 – Fique atento aos sinais de cansaço mental – Fazer pausas saudáveis para recuperar as energias como uma caminhada pelo escritório ou um breve alongamento pode ser fundamental para preservar a saúde mental. “Não se cobre tanto quando a necessidade do descanso chegar. Forçar a barra trará grandes chances de não ser bem-sucedido na tarefa. Descanse e seja recompensado ao se tornar ainda mais produtivo”, detalha Jennifer de Paula.

RECOMENDAMOS

Continue lendo

Destaque

Dicas para dominar o tempo e se dar bem nos Vestibulares

Organizar o tempo que é estimado para avaliação está entre os segredos para um bom desempenho final

Publicado

em

por

Dicas para dominar o tempo e se dar bem nos Vestibulares

Fim do ano chegando e com ele o período de festas. No entanto, para os estudantes, novembro e dezembro são sinônimos de muita dedicação para as provas que decidirão o seu futuro: os vestibulares.

Nesta contagem regressiva, se você faz parte do time que ainda está aguardando o grande dia chegar, não se desespere! Ainda dá tempo de traçar algumas estratégias para ir bem nas provas.

Então, para não deixar nenhuma questão em branco por conta do tempo e, assim, garantir uma boa nota, o Orientador Educacional, Marcos Lanner, do colégio Augusto Laranja, destaca três métodos que podem ser aplicados no dia da prova. Confira!

Controle o tempo de prova

Nesta altura do campeonato o aluno já deve ter checado o edital do vestibular, mas, se ainda não, é fundamental estar inteirado sobre o modelo da prova que irá fazer. Obter informações que em um primeiro instante parece simples pode fazer toda a diferença para o dia da avaliação como, por exemplo, quantidade de questões e a duração total.

Feito isso, de acordo com Marcos, o próximo passo é organizar o tempo estipulado para cada resposta. A Fuvest, por exemplo, tem 90 questões e 5 horas de prova. Se você tirar meia hora para o preenchimento do gabarito – o que seria o indicado – restará apenas 4 horas e meia.

Ou seja, para não se perder no tempo, é importante ter em mente quantos minutos em média você pode gastar em uma questão. Neste caso, ao dividir o tempo pela quantidade de perguntas, tudo o que se tem é uma média de 3 minutos para cada pergunta.

“É claro que algumas perguntas demandam mais tempo e outras menos, afinal, todo vestibular possui uma distribuição de questões fáceis, médias e difíceis”, aponta Lanner. O segredo está em dedicar o tempo de qualidade da prova, ou seja, as primeiras horas, às questões fáceis e médias, deixando para o final as questões difíceis.

Para ficar mais claro, segue um exemplo, tomando por base a Fuvest: supondo que a prova conte com 25% de questões difíceis, o aluno deverá responder em torno de 67 questões nessa primeira leitura, e pular 23. Se aplicarmos a conta do tempo médio de 3 minutos por questão para essas 67 questões respondidas, ele deverá terminar a primeira leitura do gabarito com aproximadamente 3 horas e meia de prova, sobrando 30 minutos para preenchimento do gabarito e 1 hora para “brigar” com as questões difíceis.

“Este cálculo pode ser utilizado em qualquer outro vestibular. Contudo, nesta estratégia, é preciso reservar um tempo de qualidade para o gabarito, pois, afinal, todo o trabalho e esforço da vida acadêmica do aluno estão nesta folha e não dá para correr o risco de perder pontos apenas pelo preenchimento errado”, destaca o orientador.

Saiba por onde começar

De acordo com o profissional, o que não dá para fazer no dia da prova é abrir o caderno e começar respondendo o que vê pela frente. A recomendação é que o vestibulando planeje antecipadamente a ordem das disciplinas que pretende resolver.

Posto isso, você pode se perguntar: será melhor começar pelas matérias que tenho mais facilidade ou as que tenho mais dificuldade?

Para o orientador, começar pelas que aparentemente são ditas como as mais fáceis, ou que você tem total convicção do seu domínio, pode ser um ‘tiro no pé’. Ele ressalta que não é interessante que o aluno comece a prova pela matéria que ele se garante. Isso porque, se encontrar dificuldades em resolver as questões que ele acreditava ter competência pode gerar uma sensação de frustração.

“Nestas circunstâncias, o aluno pode pensar: se nem na matéria que sou bom eu estou indo bem, imagine como será o resto da prova. Pensamento esse que vai abrir espaço para insegurança e, consequentemente, prejudicar o seu desempenho final”, explica Lanner, que também é psicólogo. “Sendo assim, o ideal é que o aluno escolha uma matéria que ele tenha dificuldade média.” Caso ainda se sinta perdido quanto a qual matéria começar, o orientador dá uma sugestão: como a disciplina de Língua Portuguesa demanda mais tempo de leitura e atenção, além de ser uma disciplina média para muita gente, uma boa dica é começar por essa matéria.

Aposte nos treinos

Por fim, rumo à prática! Para que esses métodos de fato sejam úteis no dia da prova, nada melhor do que investir em treinamentos.

É válido ressaltar que essas dicas não devem ser aplicadas somente no dia da prova. “Não devemos inventar ‘roda’ no dia do vestibular. Essas estratégias devem ser exploradas no treino que antecede a prova e não somente testadas no dia da avaliação, pois o aluno precisa estar seguro em aplicá-las”, ressalta Lanner.

“E não se esqueça: nesta reta final, nada de maratonar os estudos para não se desgastar fisicamente e emocionalmente e correr o risco de chegar no dia da prova exausto”, alerta o profissional.

RECOMENDAMOS

Continue lendo

Destaque

Saiba as principais diferenças entre as provas da Fuvest, Unicamp e Enem

O especialista do SAS lista um breve resumo do que o candidato pode esperar de cada uma das provas e explica a diferença entre elas.

Publicado

em

por

Saiba as principais diferenças entre as provas da Fuvest, Unicamp e Enem

Entre novembro e dezembro, milhares de jovens farão as provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), além dos testes da primeira fase da Fuvest e da Unicamp. Apesar de todas serem voltadas para o ingresso no Ensino Superior, seus formatos são bem distintos e é fundamental que o vestibulando conheça as principais diferenças para conseguir organizar os estudos e ter um bom desempenho.

“É importante que o aluno saiba que a prova do Enem tem um mesmo padrão de dificuldade de um ano para outro, o que não acontece com os testes da Fuvest e da Unicamp, que lançam novos editais e matrizes de conteúdo anualmente. Além disso, o banco de itens (questões) do Enem – que é utilizado para elaboração da prova – não é alimentado há alguns anos, então o jovem não deve esperar que caiam questões relacionadas à pandemia, retirada das tropas americanas do Iraque, Olimpíadas 2021, entre outros assuntos recentes. Já nas questões da Fuvest e Unicamp, estes temas devem estar presentes”, explica Caê Lavor, diretor de Avaliações e Pré-universitário do SAS.

O especialista do SAS lista um breve resumo do que o candidato pode esperar de cada uma das provas:

Enem

O Enem é corrigido por TRI (Teoria de Resposta ao Item), o que garante uma parametrização da prova ano a ano. A matriz de conteúdo que rege o teste foi proposta em 2009 e é mais genérica. Além disso, há muitas questões que abordam assuntos do Ensino Fundamental. “Para responder as questões do Enem, o aluno não precisa decorar fórmulas, pois ela cobra mais habilidades e conhecimentos práticos. As questões são contextualizadas e trazem informações que ajudam o estudante a resolvê-las”, explica Caê.

Fuvest

As provas da primeira fase para ingresso na Universidade de São Paulo (USP) têm como base a teoria clássica de correção, ou seja, o número de questões acertadas indica a nota. Como um novo edital é lançado anualmente, o teste não tem o mesmo padrão de dificuldade ano a ano. Outra diferença em relação ao Enem é que a maioria das questões cobradas são do Ensino Médio e o aluno que decora fórmulas e acontecimentos históricos pode ter um desempenho melhor. “A prova da Fuvest é muito mais técnica e não tem a premissa de contextualizar as questões, como o Enem”, afirma o diretor do SAS.

Unicamp

As questões da primeira fase da Unicamp se assemelham às da Fuvest no que diz respeito ao grau de dificuldade, contudo são mais contextualizadas e trazem temas atuais com criticidade. A interdisciplinaridade é característica das provas da Universidade Estadual de Campinas. Caê Lavor explica que questões ambientais, econômicas e políticas costumam estar presentes nas provas.

Redações

Segundo o diretor do SAS, a redação das três provas também tem grandes diferenças: “O Enem cobra um texto dissertativo argumentativo desde 2009, então a única surpresa para o candidato é o tema que será proposto. Já a Fuvest e na Unicamp podem pedir diferentes gêneros textuais, então para ir mais preparado é importante conhecer todos eles”, indica.

A última diferença apontada pelo especialista é a cobrança de leituras obrigatórias para Fuvest e Unicamp. “Com relação às obras, vemos que a Fuvest tende a cobrar livros clássicos, enquanto a Unicamp pede composições mais modernas, como o álbum dos Racionais MC’s, no vestibular 2020”, finaliza Caê Lavor.

RECOMENDAMOS

Continue lendo