Siga-nos!

Destaque

Dicas para dominar o tempo e se dar bem nos Vestibulares

Organizar o tempo que é estimado para avaliação está entre os segredos para um bom desempenho final

Publicado

em

Dicas para dominar o tempo e se dar bem nos Vestibulares

Fim do ano chegando e com ele o período de festas. No entanto, para os estudantes, novembro e dezembro são sinônimos de muita dedicação para as provas que decidirão o seu futuro: os vestibulares.

Nesta contagem regressiva, se você faz parte do time que ainda está aguardando o grande dia chegar, não se desespere! Ainda dá tempo de traçar algumas estratégias para ir bem nas provas.

Então, para não deixar nenhuma questão em branco por conta do tempo e, assim, garantir uma boa nota, o Orientador Educacional, Marcos Lanner, do colégio Augusto Laranja, destaca três métodos que podem ser aplicados no dia da prova. Confira!

Controle o tempo de prova

Nesta altura do campeonato o aluno já deve ter checado o edital do vestibular, mas, se ainda não, é fundamental estar inteirado sobre o modelo da prova que irá fazer. Obter informações que em um primeiro instante parece simples pode fazer toda a diferença para o dia da avaliação como, por exemplo, quantidade de questões e a duração total.

Feito isso, de acordo com Marcos, o próximo passo é organizar o tempo estipulado para cada resposta. A Fuvest, por exemplo, tem 90 questões e 5 horas de prova. Se você tirar meia hora para o preenchimento do gabarito – o que seria o indicado – restará apenas 4 horas e meia.

Ou seja, para não se perder no tempo, é importante ter em mente quantos minutos em média você pode gastar em uma questão. Neste caso, ao dividir o tempo pela quantidade de perguntas, tudo o que se tem é uma média de 3 minutos para cada pergunta.

“É claro que algumas perguntas demandam mais tempo e outras menos, afinal, todo vestibular possui uma distribuição de questões fáceis, médias e difíceis”, aponta Lanner. O segredo está em dedicar o tempo de qualidade da prova, ou seja, as primeiras horas, às questões fáceis e médias, deixando para o final as questões difíceis.

Para ficar mais claro, segue um exemplo, tomando por base a Fuvest: supondo que a prova conte com 25% de questões difíceis, o aluno deverá responder em torno de 67 questões nessa primeira leitura, e pular 23. Se aplicarmos a conta do tempo médio de 3 minutos por questão para essas 67 questões respondidas, ele deverá terminar a primeira leitura do gabarito com aproximadamente 3 horas e meia de prova, sobrando 30 minutos para preenchimento do gabarito e 1 hora para “brigar” com as questões difíceis.

“Este cálculo pode ser utilizado em qualquer outro vestibular. Contudo, nesta estratégia, é preciso reservar um tempo de qualidade para o gabarito, pois, afinal, todo o trabalho e esforço da vida acadêmica do aluno estão nesta folha e não dá para correr o risco de perder pontos apenas pelo preenchimento errado”, destaca o orientador.

Saiba por onde começar

De acordo com o profissional, o que não dá para fazer no dia da prova é abrir o caderno e começar respondendo o que vê pela frente. A recomendação é que o vestibulando planeje antecipadamente a ordem das disciplinas que pretende resolver.

Posto isso, você pode se perguntar: será melhor começar pelas matérias que tenho mais facilidade ou as que tenho mais dificuldade?

Para o orientador, começar pelas que aparentemente são ditas como as mais fáceis, ou que você tem total convicção do seu domínio, pode ser um ‘tiro no pé’. Ele ressalta que não é interessante que o aluno comece a prova pela matéria que ele se garante. Isso porque, se encontrar dificuldades em resolver as questões que ele acreditava ter competência pode gerar uma sensação de frustração.

“Nestas circunstâncias, o aluno pode pensar: se nem na matéria que sou bom eu estou indo bem, imagine como será o resto da prova. Pensamento esse que vai abrir espaço para insegurança e, consequentemente, prejudicar o seu desempenho final”, explica Lanner, que também é psicólogo. “Sendo assim, o ideal é que o aluno escolha uma matéria que ele tenha dificuldade média.” Caso ainda se sinta perdido quanto a qual matéria começar, o orientador dá uma sugestão: como a disciplina de Língua Portuguesa demanda mais tempo de leitura e atenção, além de ser uma disciplina média para muita gente, uma boa dica é começar por essa matéria.

Aposte nos treinos

Por fim, rumo à prática! Para que esses métodos de fato sejam úteis no dia da prova, nada melhor do que investir em treinamentos.

É válido ressaltar que essas dicas não devem ser aplicadas somente no dia da prova. “Não devemos inventar ‘roda’ no dia do vestibular. Essas estratégias devem ser exploradas no treino que antecede a prova e não somente testadas no dia da avaliação, pois o aluno precisa estar seguro em aplicá-las”, ressalta Lanner.

“E não se esqueça: nesta reta final, nada de maratonar os estudos para não se desgastar fisicamente e emocionalmente e correr o risco de chegar no dia da prova exausto”, alerta o profissional.

Destaque

Não paguei a taxa de inscrição do Enem 2022. E agora?

O pagamento da taxa de R$ 85 era obrigatória para quem não obteve isenção. O que acontece com quem não pagou a taxa do Enem?

Publicado

em

por

Não paguei a taxa de inscrição do Enem 2022. E agora?

Terminou às 22h desta sexta-feira (27) o prazo para o pagamento da taxa de inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022, impresso e digital. O pagamento da taxa de R$ 85 era obrigatória para quem não obteve isenção. “Não paguei a taxa de inscrição do Enem 2022. E agora?”

Quem não fez o pagamento dentro do prazo indicado não terá sua inscrição confirmada e não poderá participar do Enem 2022, que acontece nos dias 13 e 20 de novembro, de acordo com o Inep.

Enem

O Exame Nacional do Ensino Médio avalia o desempenho escolar dos estudantes ao término da educação básica. Ao longo de mais de duas décadas de existência, tornou-se uma das principais portas de entrada para a educação superior no Brasil, por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e de iniciativas como o Programa Universidade para Todos (ProUni). Instituições de ensino públicas e privadas utilizam o Enem para selecionar estudantes.

Os resultados são usados como critério único ou complementar dos processos seletivos, além de servirem de parâmetro para acesso aos auxílios governamentais, como o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Com informações da Agência Brasil

Continue lendo

Destaque

Lei que amplia Prouni para estudantes de escolas privadas é sancionada

Novas regras do Programa Universidade para Todos (Prouni) para alunos de escolas particulares começam a valer a partir de 16 de julho

Publicado

em

por

Câmara aprova Medida Provisória que modifica regras do Prouni

O presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou a Lei 14.350/2022 que amplia o acesso ao Programa Universidade para Todos (Prouni) para alunos de escolas particulares, mesmo sem bolsa de estudos. Antes, só estudantes de escolas públicas ou que passaram por escolas privadas com bolsa integral podiam participar do programa. As novas regras começam a valer a partir do dia 16 de julho.

Prouni – Escolas Privadas

O texto, originado da Medida Provisória (MP) 1075/21, diz que as bolsas do Prouni continuarão a ser oferecidas aos estudantes de baixa renda, cuja renda familiar não ultrapasse os três salários-mínimos, mas que o perfil socioeconômico deixará de ser um critério de pré-seleção. O desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) continuará sendo considerado critério.

Com as novas regras, os estudantes com deficiência e os professores da rede pública que vão cursar pedagogia ou licenciatura continuam a ser beneficiados com as bolsas do Prouni. Eles já eram contemplados na legislação anterior do programa.

Na sequência vêm os alunos que cursaram todo o ensino médio em rede pública; alunos que dividiram o ensino médio entre a rede pública e a privada, com bolsa integral; alunos que dividiram o ensino médio entre a rede pública e a privada, com bolsa parcial ou sem bolsa; alunos que fizeram todo o ensino médio na rede privada, com bolsa integral, e os alunos que fizeram todo o ensino médio na rede privada, com bolsa parcial ou sem bolsa.

A lei também autoriza que o Ministério da Educação (MEC) dispense a apresentação de documentos que comprovem a eventual deficiência do candidato e sua renda familiar mensal, caso essas informações já estejam em bancos de dados do governo.

Pelas novas regras, ficam extintas as bolsas parciais de 25%. A partir de agora, as bolsas do Prouni deverão ser integrais ou de 50%. Não há mudança no percentual mínimo de bolsas a serem concedidas pelas instituições.

O texto veda ainda aos beneficiários acumular mais de uma bolsa do Prouni. Também fica proibida a concessão de bolsas para alunos de universidades públicas e para estudantes que, numa outra instituição, façam uso do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Apesar de as bolsas do Prouni serem destinadas a estudantes que estão na primeira graduação, a lei abre uma exceção para cursos onde há concomitância ou complementariedade de bacharelado e licenciatura. Nesses casos, o estudante pode obter a bolsa do Prouni para cursar a segunda parte da formação.

De acordo com a Secretaria-Geral da Presidência, os critérios de oferta das bolsas serão estabelecidos em regulamento pelo Ministério da Educação. As instituições que desejarem aderir ao programa terão quer cumprir algumas obrigações previstas no termo de adesão.

Dentre elas estão a previsão de percentual de bolsas de estudo destinado à implementação de políticas afirmativas de acesso ao ensino superior de: pessoas com deficiência, na forma prevista na legislação; autodeclarados indígenas, pardos ou pretos; e estudantes egressos dos serviços de acolhimento institucional e familiar ou neles acolhidos.

O estabelecimento que descumprir essas regras fica sujeito à suspensão do Prouni, sem prejuízo para estudantes já atendidos.

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo

Destaque

Últimos dias de inscrições abertas para o Vestibular de Inverno da PUC-SP

As inscrições para o Vestibular de Inverno da PUC-SP estão abertas até o dia 31 de maio de 2022.

Publicado

em

por

PUC-SP abre inscrições para o vestibular de inverno

As inscrições para o Vestibular de Inverno da PUC-SP estão abertas até o dia 31 de maio de 2022.

Vestibular de Inverno PUC-SP 2022

De acordo com o edital, o processo seletivo será através de prova online ou com a nota do ENEM.

Os que escolherem pela primeira modalidade farão prova online, dia 12/6. Ela será composta de Redação e provas de Matemática, Física, Química, Biologia, História, Geografia, Língua Inglesa, Língua Portuguesa, Literatura e Atualidades, conforme estabelecido no Manual do Candidato.

Já pela segunda modalidade, os candidatos poderão usar a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), por meio do resultado obtido pelo(a) candidato(a) nas edições entre 2016 e 2021, desde que a média obtida tenha sido igual ou superior a 450 pontos.

O valor da taxa de inscrição é de R$180,00 para quem optar por fazer a prova online e R$50,00 para que optar por se inscrever com a nota do ENEM.

Cursos oferecidos

  • Administração
  • Ciências Econômicas
  • Design
  • Direito
  • Jornalismo
  • Relações Internacionais

Destaque

Em 2021, a PUC-SP foi eleita a melhor universidade privada do país pelo Guia da Faculdade (antigo Guia do Estudante), publicação do jornal O Estado de S.Paulo em parceria com a empresa Quero Educação. A instituição também é a única universidade privada do estado de São Paulo a figurar entre as 10 melhores do país no ranking internacional QS, da consultoria britânica Quacquarelli Symonds.

Para se inscrever basta acessar o site

Continue lendo