Professor de Química dá dicas importantes para a prova do Enem

Professor de Química dá dicas importantes para a prova do Enem

Há menos de dois meses do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), os candidatos deste ano se deparam com um desafio a mais: o ensino remoto. A Matriz de Referência do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), responsável pelo Enem, traz 24 páginas com o conteúdo que pode ser abordado nas provas das quatro áreas do conhecimento.

Dicas para a prova de química do Enem

De acordo com o professor de Química do Curso Positivo, João Pedro Mateos, que tem mais de 30 anos de experiência na área, a prova do Enem é igual todos os anos. “As questões são diferentes, porém, as habilidades e competências são sempre as mesmas”, revela.

professor de Química do Curso Positivo, João Pedro Mateos

Professor de Química do Curso Positivo, João Pedro Mateos

Por isso, o professor aconselha que o candidato reserve um tempo, toda semana, para resolver provas antigas. “Mas provas de, no máximo, quatro anos atrás, porque todo ano, o estilo da prova muda um pouco e, depois de quatro anos, ela está completamente remodelada”, alerta. Segundo ele, isso não acontece apenas nas provas de Química e Ciências da Natureza, mas de todas as áreas do conhecimento. “É preciso estudar cada questão, analisando textos, alternativas e ir pesquisando todas as dúvidas que surgirem. Assim, o estudante estará se preparando não só no conteúdo, mas também para as habilidades exigidas pelo Enem”, completa Mateos. O Inep disponibiliza provas e gabaritos de edições anteriores no site oficial (https://enem.inep.gov.br/antes#prepare-se-para-provas).

Dentro das habilidades e competências exigidas no Enem, Mateos destaca alguns conteúdos que aparecem com bastante frequência nas provas de Química: cálculo estequiométrico, cálculo de concentração de soluções, termoquímica, pilha e eletrólise. “Sem deixar de lado a Química Orgânica, especialmente quando se fala no reconhecimento das funções, além de algumas reações que são bem clássicas, como oxidação e esterificação, e, em várias edições, já apareceram questões envolvendo polímeros – às vezes naturais, como no caso das proteínas e dos polissacarídeos, e às vezes polímeros artificiais, produzidos nas indústrias, como os plásticos, em geral”, comenta.

O professor explica que questões sobre Covid-19 não devem cair nas provas de Ciências da Natureza ainda nesta edição do exame. “Existe um grupo de professores que trabalham para o Inep, eles elaboram questões em cima das habilidades e competências, dentro de todo o conteúdo do Ensino Médio. Só que uma vez feitas essas questões, não se sabe previamente se elas podem ser usadas no Enem ou não. Para saber, essas questões precisam ser testadas para ver se encaixam no sistema de correção, que é a Teoria da Resposta ao Item (TRI). Depois de testadas, aí sim que elas ficam em um banco de dados, que depois serão selecionadas para os mais variados exames. Esse processo todo demora muito tempo. Então, assuntos atuais não vão aparecer na prova de Química, Biologia e de nenhuma outra área do conhecimento. Agora, dentro do tema de Redação, pode sim aparecer algo relacionado à pandemia”, argumenta Mateos.