Siga-nos!

Notícias dos Vestibulares e Enem

Pesquisa revela que 42% dos alunos podem abandonar faculdades privadas

O principal motivo é não conseguir pagar mensalidades

Publicado

em

Quase a totalidade dos estudantes matriculados no ensino superior privado querem continuar os estudos, no entanto, cerca da metade, 42%, afirma que há um risco de ter que desistir. O principal motivo para o possível abandono é não conseguir pagar as mensalidades, seja porque o emprego foi afetado pela pandemia do novo coronavírus, seja porque os pais ou responsáveis não conseguirão arcar com os custos.

Quer uma bolsa de estudos? Clique aqui e faça sua consulta no Quero Bolsa.

As estimativas foram divulgadas ontem (10) na terceira etapa da pesquisa Coronavírus e Educação Superior: o que pensam os alunos e prospects da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes), feita em parceria com a empresa de pesquisas educacionais Educa Insights. Ao todo, foram entrevistados 644 estudantes e 963 potenciais alunos entre os dias 28 e 31 de maio.

Treine com simulados Online. Clique aqui e resolva agora!

Dentre os estudantes matriculados, 52% disseram querer continuar estudando não importa o cenário. Essa porcentagem caiu em relação a primeira etapa da pesquisa, realizada em março, quando era 57%. Outros 42% dizem querer continuar estudando, mas reconhecem que há risco de desistirem. Esse percentual era 37% em março. Outros 4% disseram que provavelmente irão desistir do curso e 2% que irão desistir por conta do cenário atual.

De acordo com a pesquisa, o emprego ser afetado pela pandemia pesa como fator de decisão para deixar os estudos para 60% dos entrevistados. Já a dificuldade dos responsáveis arcarem com os custos pesa para 22%. Apenas 8% dizem que pretendem desistir porque a faculdade não migrou as aulas para o ensino a distância.

“Esse desafio tem que ser endereçado pelas instituições”, diz o diretor presidente da Abmes, Celso Niskier. “A gente tem recomendado [para as instituições de ensino] que sejam identificados os grupos que têm maior risco por perda de renda e emprego e que sejam oferecidas alternativas, que seja analisado caso a caso”. A entidade diz que além dos descontos, têm buscado alternativas de financiamento tanto para os estudantes quanto para as instituições de ensino, para que possam arcar com as despesas do período.

No levantamento, 22% dos entrevistados informaram ter perdido o emprego em função da pandemia. No levantamento anterior, feito em abril, esse percentual era de 20%.

As novas matrículas também preocupam. O estudo mostra que caiu de 22% para 14%, entre março e maio, a porcentagem dos potenciais alunos que planejam começar o curso no segundo semestre deste ano. Cerca de um terço, 36%, pretende adiar o ingresso no ensino superior para o começo de 2021; 7% para o segundo semestre de 2021; e, 43% decidirão quando a situação se normalizar.

Ensino a distância

O ensino presencial é o mais impactado neste contexto. A pesquisa mostra que para não interromper as aulas, as faculdade migraram as disciplinas para modalidades remotas. Entre os estudantes de cursos presenciais, 82% disseram que estão tendo aulas a distância. De acordo com o estudo, embora 67% avaliem como positiva a experiência com ensino a distância, 73% manteriam a decisão pelas aulas presenciais. Apenas 3% disseram que migrariam definitivamente para a modalidade a distância.

Na hora de começar a estudar, apenas 7% dos futuros alunos entrevistados disseram que pretendem iniciar um curso na modalidade presencial ainda neste ano. Já na modalidade a distância, esse percentual chega a 30%. Entre os estudantes já matriculados, 45% pretendem seguir os estudos independente do cenário no ensino presencial. No ensino a distância, são 60%.

Para Niskier, a pandemia acelerou um processo que já vinha ocorrendo na educação superior, que é um aumento do ingresso de novos estudantes na modalidade a distância. De acordo com a Abmes, o Brasil terá mais alunos do ensino superior estudando na modalidade a distância do que na presencial em 2022. Antes, a projeção da entidade é que isso ocorreria em 2023. A pandemia pode ser vista, segundo o diretor presidente como oportunidade para que as instituições aprimorem essa modalidade que tem mensalidades mais acessíveis e é mais flexível que a presencial, podendo chegar a locais remotos do país. Pode-se incluisive, segundo ele, desenvolver melhor um modelo híbrido.

Segundo dados do Censo da Educação Superior de 2018, divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o setor privado é responsável por 70,2% de todas as matrículas realizadas em cursos presenciais no país e 91,6% das matrículas nos cursos de educação a distância.

Fonte: Agência Brasil

DICAS NO SEU EMAIL

Receba gratuitamente as últimas notícias dos vestibulares e dicas para o Enem no seu email! Clique aqui e cadastre-se!

RECOMENDAMOS

Destaque

Arquitetura e Urbanismo um curso de graduação que combina criatividade, inovação e responsabilidade ambiental

Criatividade, Sustentabilidade e Tecnologia: seja um arquiteto e urbanista inovador que soluciona os desafios da atualidade!

Publicado

em

por

A Arquitetura e o Urbanismo no Brasil têm uma história rica e variada, que vai desde a época da colonização portuguesa até os dias de hoje. Cada fase trouxe influências diferentes, criando um cenário cheio de arte e inovação.

Os desafios da Arquitetura e Urbanismo no país são muitos e complexos, exigindo soluções inovadoras e uma abordagem integrada. É fundamental que governo, sociedade e profissionais da área estejam à frente e trabalhem juntos para construir cidades mais justas, sustentáveis e inclusivas. A busca por soluções que melhorem a qualidade de vida urbana, preservem o meio ambiente e respeitem o patrimônio cultural é crucial para o futuro das cidades brasileiras.

Desafios da Atualidade

O Urbanismo no Brasil enfrenta vários desafios, como o rápido crescimento das cidades, a desigualdade social e a necessidade de infraestrutura adequada. Grandes cidades, como São Paulo e Rio de Janeiro, lidam com questões complexas, como transporte, habitação e a integração de comunidades.
Legislações como o Estatuto da Cidade, de 2001, buscam promover um desenvolvimento urbano mais inclusivo e sustentável, pensando no equilíbrio ambiental, no bem coletivo, na segurança e no bem-estar de todos.

Crescimento Urbano Desordenado

Treine com simulados Online. Clique aqui e resolva agora!

O crescimento rápido e muitas vezes desordenado das cidades brasileiras é um dos maiores desafios. A urbanização acelerada, especialmente nas últimas décadas, resultou em áreas periféricas mal planejadas, com infraestrutura inadequada e falta de serviços básicos. Isso leva a problemas como engarrafamentos, falta de saneamento e dificuldade de acesso a serviços de saúde e educação.

Desigualdade Social

A desigualdade social é um problema persistente no Brasil e se reflete na forma como as cidades são estruturadas. Áreas ricas e bem planejadas convivem ao lado de comunidades e bairros carentes, onde a falta de infraestrutura é evidente. Essa segregação espacial gera exclusão social e dificulta a integração e o desenvolvimento urbano sustentável.

Mobilidade Urbana

O transporte público muitas vezes não é eficiente ou abrangente o suficiente para atender às necessidades da população. Isso resulta em um uso excessivo de veículos particulares, contribuindo para congestionamentos, poluição do ar e aumento dos tempos de deslocamento. Melhorar a mobilidade e o transporte público e promover modos de deslocamento sustentáveis, como ciclismo e caminhadas, são metas importantes.

Sustentabilidade Ambiental

As cidades brasileiras precisam se adaptar às mudanças climáticas, melhorar a eficiência energética e reduzir a emissão de gases de efeito estufa. Projetos de construção sustentável e urbanismo verde, que incluem áreas verdes, telhados verdes, jardins de chuva e o uso de materiais ecológicos, estão ganhando destaque, mas ainda há muito a ser feito.

Patrimônio Histórico

Muitas cidades brasileiras possuem um rico acervo de edifícios históricos que precisam ser preservados e integrados ao desenvolvimento urbano moderno. A falta de recursos e a pressão por novos empreendimentos podem levar à deterioração ou destruição de patrimônios culturais importantes.

Infraestrutura e Serviços Básicos

A infraestrutura deficiente e a falta de serviços básicos em muitas áreas urbanas e rurais são problemas graves. Isso inclui a necessidade de melhorias em saneamento básico, abastecimento de água, energia elétrica e serviços de saúde. A falta desses serviços essenciais impacta negativamente a qualidade de vida e a saúde da população.

Planejamento Urbano Integrado

Cidades crescem sem um planejamento adequado, resultando em uso ineficiente do solo e problemas de conectividade. Planos diretores e políticas urbanas que considerem a participação da comunidade e a integração de diferentes setores são essenciais para um desenvolvimento urbano sustentável.

E aí, está preparado(a) para solucionar problemas tão complexos?

A visão da Mauá na construção e a integração de edificações ao contexto urbano vem da base sólida da Engenharia Civil e da base criativa e artística do Design. Isso significa que, ao criar projetos inovadores, você se apoiará na compreensão aprofundada das estruturas, materiais e soluções que garantem qualidade dos ambientes que cria, considerando também a harmonia, estética e bem-estar com o entorno urbano.

Seja parte da transformação em direção a um mundo construído de maneira melhor e mais criativa. Seu futuro começa aqui, onde a Arquitetura encontra a Tecnologia e a Inovação! maua.br/vestibular

Continue lendo

Destaque

Vestibular Medicina FAMINAS 2024: última semana de inscrições pela prova presencial

Você sonha em estudar Medicina em uma das faculdades mais renomadas de Minas Gerais? Sua chance é agora!

Publicado

em

por

Você sonha em estudar Medicina em uma das faculdades mais renomadas de Minas Gerais? Sua chance é agora!

As inscrições para o Vestibular de Medicina da FAMINAS ainda estão abertas! Mas atenção: esta é a última semana para garantir sua candidatura POR AQUI!

O término das inscrições acontecerá no dia 31 de maio, e o exame será aplicado no dia 8 de junho, com opção de realização nas cidades de Belo Horizonte, Muriaé, Governador Valadares, Campos dos Goytacazes, Montes Claros, Vitória e Goiânia.

Treine com simulados Online. Clique aqui e resolva agora!

O processo é unificado: a inscrição pode valer tanto para a unidade da FAMINAS em Belo Horizonte quanto para Muriaé (com o valor de R$450,00), ou para somente uma das unidades a critério do vestibulando (valor R$350,00).

Dê um passo no caminho para realizar o seu sonho! Faça sua inscrição no Vestibular de Medicina da FAMINAS por AQUI!

Ainda tem alguma dúvida sobre o processo ou sobre a FAMINAS? Converse com nosso time pelo WhatsApp (31) 2126-3100 ou pelo e-mail vestibular@faminas.edu.br.

Medicina FAMINAS: um mundo de possibilidades

Na sua trajetória durante o curso, você irá:

• Imergir completamente na área médica, com laboratórios tecnológicos e inovadores.
• Aprender da teoria à prática.
• Participar de projetos de extensão e iniciação científica.
• Desenvolver atividades junto à comunidade.
• Ter contato com professores especialistas nas áreas.
• Adquirir vivência na área através de estágios em hospitais e clínicas.
• Ganhar a oportunidade de fazer intercâmbios nacionais e internacionais.
• Ser o agente transformador que a sociedade precisa.

 

Continue lendo

Notícias dos Vestibulares e Enem

Vestibular UEL 2025 que ofertará 2.544 vagas. Confira as normas!

Para a edição deste ano, o preço público fixado para a inscrições no Vestibular UEL foi de R$ 181,00.

Publicado

em

por

Vestibular UEL 2022 é aprovado para 6 de março em fase única

A Coordenadoria de Processos Seletivos (Cops) da UEL tornou públicas, na tarde desta sexta-feira (24), definições importantes relacionadas ao Vestibular UEL 2025 envolvendo as normas do processo seletivo, o número de vagas ofertadas e o preço público da inscrição.

Conforme a Resolução Cepe nº 026/2024, aprovada em reunião do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) na última quinta (23), serão ofertadas 2.544 vagas em 53 cursos de graduação, considerando turnos e habilitações. Constam ainda no documento as diversas regras para o processo seletivo, como o número de vagas para cada curso e as três disciplinas cobradas na Prova de Conhecimentos Específicos, sendo a de Sociologia obrigatória para todos os cursos, incluindo o novo curso de Ciência de Dados e Inteligência Artificial (IA). O Manual do Candidato 2024, que contém o conteúdo programático do concurso, será divulgado até o dia 1º de julho, segundo a Cops.

Já nesta quarta (22), o Conselho de Administração (CA) da UEL definiu o preço público da inscrição do Vestibular UEL 2025. Para a edição deste ano, o preço público fixado foi de R$ 181,00. A Resolução CA nº022/2024 foi publicada no site da Cops.

Treine com simulados Online. Clique aqui e resolva agora!

Segundo a coordenadora de Processos Seletivos da UEL, Sandra Garcia, o reajuste foi necessário em decorrência dos custos estimados para a realização do Vestibular. Nesse sentido, diz Sandra, o Conselho de Administração da UEL levou em consideração o índice inflacionário dos preços do último ano, acumulado em 3,14%, elevando o valor em cinco reais em comparação com a edição anterior, R$ 176,00. Entretanto, o valor ainda acompanha a média adotada por Instituições de Ensino Superior (IES) do Paraná e de outros estados.

Outra novidade, conforme a resolução do Cepe, é que para os cursos com concorrência igual ou menor a um candidato por vaga a prova passa a ser classificatória, ou seja, desde que o candidato não tenha nota final zero, ele será classificado no Processo Seletivo Vestibular 2025.

Isenção

A Cops reforça que os candidatos interessados na isenção do pagamento têm até às 17h do dia 6 de junho para solicitarem o direito por meio do Número de Identificação Social (NIS), atribuído por meio do CadÚnico do Governo Federal. Neste caso, a isenção será integral, considerando o Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, conforme Decreto Federal nº 6.135/2007. O candidato deverá ser membro de família de baixa renda, nos termos do mesmo decreto.

Em seguida, entre os dias 18 de junho e 1º de julho, o Serviço de Bem-Estar à Comunidade (Sebec) irá realizar o processo de análise socioeconômica. Por meio desta modalidade, os candidatos podem obter desconto integral e parcial, de 30% e 50% do valor da inscrição.

As inscrições para o Vestibular UEL 2025 terão início no dia 18 de julho e somente serão efetivadas mediante o pagamento do preço público, o que também pode ser realizado via PIX.

Fonte: O Perobal UEL

DICAS NO SEU EMAIL

Receba gratuitamente as últimas notícias dos vestibulares e dicas para o Enem no seu email! Clique aqui e cadastre-se!

RECOMENDAMOS

Continue lendo