Simulado Online de Português – Vestibular Fuvest 2006 – 76 

Este simulado possui 5 questões, no formato de múltipla-escolha, retiradas do Vestibular 2006 da Fuvest

1- (Fuvest/2006) A televisão tem de ser vista …… um prisma crítico, principalmente as telenovelas, ….. audiência é significativa. Temos de procurar saber ….. elas prendem tanto os telespectadores. Preenchem de modo correto as lacunas acima, respectivamente,

  1. a nível de/ as quais a/ por que.
  2. sobre/ que/ porquê.
  3. sob/ cuja/ por que.
  4. em nível de/ cuja a/ porque.
  5. sob/ cuja a/ porque.

2- (Fuvest/2006) Os verbos estão corretamente empregados apenas na frase:

  1. No cerne de nossas heranças culturais se encontram os idiomas que as transmitem de geração em geração e que assegurem a pluralidade das civilizações.
  2. Se há episódios traumáticos em nosso passado, não poderemos avançar a não ser que os encaramos.
  3. Estresse e ambiente hostil são apenas alguns dos fatores que possam desencadear uma explosão de fúria.
  4. A exigência interdisciplinar impõe a cada especialista que transcenda sua própria especialidade e que tome consciência de seus próprios limites.
  5. O que hoje talvez possa vir a tornar-se uma técnica para prorrogar a vida, sem dúvida amanhã possa vir a tornar-se uma ameaça.

3- (Fuvest/2006) “Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para conhecer o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver.” Amyr Klink, Mar sem fim.

Na frase “que nos faz professores e doutores do que não vimos”, o pronome sublinhado retoma a expressão antecedente

  1. “para lugares”.
  2. “o mundo”.
  3. “um homem”.
  4. “essa arrogância”.
  5. “como o imaginamos”.

4- (Fuvest/2006) “Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para conhecer o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver.” Amyr Klink, Mar sem fim.

A repetição de “precisa viajar” acentua, no contexto, o valor daquelas experiências que

  1. se traduzem na exploração de nossa plena capacidade imaginativa.
  2. concretizam o aprendizado das diferenças que formam a identidade pessoal.
  3. ratificam a convicção de quem julga conhecer o que apenas imaginou.
  4. acabam comprovando a importância de se viver tudo o que se planejou.
  5. reforçam a simplicidade do prazer de um cotidiano sem surpresas.

5- (Fuvest/2006) “o Kramer apaixonou-se por uma corista que se chamava Olga. por algum motivo nunca conseguiam encontrar-se. ele gritava passando pela casa de Olga, manhãzinha (ela dormia): Olga, Olga, hoje estou de folga! mas nunca se viam e penso que ele sabia que se efetivamente se deitasse com ela o sonho terminaria. sábio Kramer. nunca mais o vi. há sonhos que devem permanecer nas gavetas, nos cofres, trancados até o nosso fim. e por isso passíveis de serem sonhados a vida inteira.” Hilda Hilst, Estar sendo. Ter sido. No trecho “há sonhos que devem permanecer nas gavetas, nos cofres, trancados até o nosso fim.”, o recurso de estilo que NÃO ocorre é a

  1. redundância.
  2. inversão.
  3. gradação.
  4. metáfora.
  5. enumeração.